Carregando

quarta-feira, 2 setembro 2020

A importância da energia elétrica em clínicas e hospitais

Por

A falta de energia pode ser crucial, com a possibilidade de deixar sequelas ou até mesmo levar um paciente à morte

Já parou para pensar que uma queda de energia elétrica, ainda que por poucos minutos, pode causar grandes transtornos na nossa rotina? Sem ela, aparelhos domésticos, roteadores de internet, portões eletrônicos, elevadores e semáforos não funcionam. E esses são apenas alguns exemplos do quanto a energia elétrica permeia aspectos fundamentais do nosso dia a dia.

Agora, pense em um ambiente hospitalar ou clínico: além da infraestrutura (elevadores, portas automáticas, sistemas de iluminação e segurança) e dos equipamentos necessários para realizar exames e cirurgias, também há aparelhos de tratamento intensivo cruciais para a estabilização de pacientes em estado grave que de maneira alguma podem ser desligados. Nesse contexto, a energia elétrica é mais do que necessária. Dentro de uma clínica de saúde ou hospital, ela é uma fonte de vida que não pode faltar. 

Garantir o abastecimento constante de energia elétrica para unidades hospitalares é uma questão tão importante que a ANVISA e o Ministério da Saúde elaboraram o Manual de Segurança no Ambiente Hospitalar com um capítulo inteiro dedicado a esse assunto. O documento fornece diretrizes para um sistema integrado de emergência que atue com segurança, garantindo o suprimento imediato em casos interrupção de fornecimento. Seu consultório está preparado para enfrentar problemas com a energia elétrica?

Verifique a qualidade da instalação da sua rede elétrica

Infelizmente, é bastante comum a contratação de um serviço não especializado para instalação da rede elétrica. Para uma instalação de qualidade é preciso ter a consciência que estamos falando principalmente de segurança. Por este motivo é indispensável o conhecimento da Norma Técnica vigente.

Mesmo que os padrões tenham sido seguidos durante a construção dos estabelecimentos, muitas vezes os ajustes necessários no decorrer do tempo são deixados de lado, como manutenção ou procedimentos adotados para adaptação da rede à necessidade do empreendimento, ou instalação de novos pontos de energia, por exemplo.

Essas falhas elétricas, além de atrapalhar o funcionamento da estrutura e dos equipamentos, podem causar sequelas sérias em pacientes e até mesmo levar à morte. Por este motivo, exija sempre a documentação relacionada à instalação elétrica do estabelecimento, incluindo reparos. 

Essa atitude pode eximir você de futuras responsabilidades em relação ao uso da rede elétrica. Afinal, em uma situação de catástrofe dificilmente vão condenar o técnico que fez o ajuste mal feito há vários anos em seu consultório. É mais fácil afirmar que a rede foi mal utilizada com a instalação inadequada de equipamentos, quando na verdade a rede elétrica já apresentava problemas.

Os perigos de uma instalação elétrica inadequada

Recentemente, uma pane elétrica em um hospital de Campina Grande, na Paraíba, deixou parte do complexo sem luz durante duas horas e obrigou a remoção urgente de um grupo de pacientes. O incidente aconteceu em função de um curto circuito que sobrecarregou o sistema e o abastecimento de energia ficou comprometido em parte da unidade de saúde. 

Uma sobrecarga elétrica não dá indícios imediatos. Geralmente, a fiação vai esquentando, conforme utilização e condições ambientes, então os problemas ocorrem quando você menos espera.  Em um consultório ou clínica não é diferente. Fora os eletroeletrônicos mais comuns, esses ambientes utilizam equipamentos mais caros, exigindo uma atenção especial em relação ao uso da rede elétrica. 

Outras dicas dicas para o uso seguro a sua rede elétrica

  • Cuidado para não molhar tomadas durante a limpeza do ambiente;
  • Evite usar ar condicionado sem necessidade; 
  • Substitua tomadas que apresentarem folga nos conectores, geralmente são as que ficam com mau contato;
  • Mantenha a fiação longe de qualquer fonte de calor;
  • Não sobrecarregue tomadas com uso excessivo de extensões;
  • Use sempre produtos certificados;
  • Fique atento a fios desencapados;
  • Verifique se ocorre aquecimento de tomadas, interruptores, ou fios dos aparelhos durante seu uso;
  • Fique alerta para qualquer cheiro de queimado.

O setor hospitalar é o segundo maior consumidor de energia elétrica e, quando se trata de garantir a segurança nesses ambientes, o foco da abordagem é a redução máxima de todas as fontes de risco. E, nesse sentido, a Geração Distribuída é a melhor resposta.

Optar por um sistema integrado de energia distribuída proporciona mais segurança para os pacientes. Além disso, contratar esse serviço não requer investimento de entrada e tampouco ajustes na infraestrutura existente. É prático, acessível e muito econômico! Por ser contratada diretamente das geradoras, custa 15% menos. Economia que pode ser revertida em melhorias para seu consultório ou clínica, principalmente nesse momento em que o sistema de saúde lida com demandas altas.

A Gedisa tem uma equipe especializada em administrar cooperativas de geração distribuída. Todos os serviços são prestados com a excelência de atendimento, pós venda com consultor, atendimento ao cliente sem 0800, especialistas em medição e determinação de demanda, instalação segura e certificada. 

Você é gestor hospitalar e quer garantir mais segurança para os seus pacientes, tranquilidade para os colaboradores e redução de custos com praticidade? Então fale conosco! Conheça as soluções de geração distribuída que oferecemos e comece o quanto antes a desfrutar os benefícios de um sistema geração distribuída no seu hospital.

Leia também:

Feito com por Black Flag Publicidade